Guilty Crown (ギルティ Giruti Kuraun)  é uma série de anime produzida pela Production IG, que foi ao ar na Fuji Tv no bloco noitaminA, totalizando 22 episódios. Na época de seu lançamento fora criado muitas expectativas para o anime, entretanto, para aqueles que procuram um enredo bem desenvolvido com personagens marcantes, talvez possam se decepcionar com Guilty Crown.

A história começa num futuro fictício no ano de 2029, quando o Japão é arrasado por uma epidemia conhecida como ”Vírus Apocalíptico”. Desde então o país está sobre o controle de uma organização internacional, a GHQ, que reestabeleceu a ordem com o custo da independência. Dez Anos depois, o protagonista Ouma Shu (que não tem absolutamente nada de carisma na minha opinião) acaba se envolvendo em um conflito para reestabelecer a independência do Japão, sob a autoria de terroristas conhecidos como ”Undertaker” (Shōgisha). Nesse conflito armado cheio de batalhas robóticas e tiroteios, o protagonista conhece a heroína da história, Inori Yuzuriha (que aliás a arte design dela ficou ótimo, mas é só isso também…), vocalista da banda Egoist e membro dos ”Undertaker”.

De início o anime aparenta ser muito interessante, já que contém todo um clima de seriedade, tramas políticas e tudo mais. Entretando os produtores não souberam aproveitar muito bem a idéia do anime e passaram simplismente a torna-lo um mero conto escolar, dando mais ênfase ao grupo de amigos e seus problemas ao invés do conflito político/militar que o Japão estava sofrendo. E como não podia faltar em uma boa animação japonesa, a presença de várias colegiais ”bonitinhas” chega a banalizar todo o clima de tensão criada pelo enredo do anime. Apesar dos esforços em tentar criar boas cenas de ação como atrativo público, Guilty Crown acaba falhando em muito na hora de esclarecimento e explicação dos fatos mais importantes, como a origem do ”vírus apocalíptico” e sua relação com a irmã do protagonista (que aliás…totalmente desnecessário fazer a personagem ter interesse incestivo pelo Shu), conflito que envolve uma conspiração em erradicar toda a raça humana como um estágio necessário para a evolução, entre outras perguntas que ficaram ao ar quando terminei de ver o último episódio.

Tanto o protagonista como a moçinha da história não são personagens carismáticos e marcantes, muito pelo contrário, chegam a ser deprimentes e dignos de pena em muitos momentos. O protagonista que deveria passar a imagem de um herói, acaba transmitindo em grande parte melancolia e sofrimento.

Como conclusão, não creio que Guilty Crown atenda às expectativas criada pelo anime e de longe é considerado uma boa trama. Há muitas pessoas que o consideram bom ou mesmo muito bom, tem gosto para tudo nesse mundo. Para aqueles que procuram algo para assistir apenas para matar o tempo talvez gostem de Guilty Crown, mas os que procuram uma história bem desenvolvida, vão acabar se decepcionando.

Anúncios